terça-feira, 13 de janeiro de 2015

69. Amor nosso de cada dia

Decidi ligar para a Mel enquanto dirigia pelo alta voz do carro. Queria contar tudo pra ela agora para que a nossa noite começasse logo mais sem atrasos. 


Mel: Olá amor.

Luan: Cê colocou no alta voz né?

Mel: Sim, fica descansado. Como correu o jantar? - contei tudo pra Mel que não se surpreendeu com nada do que lhe disse. 

Luan: Segunda vou acabar com ela amor.

Mel: E eu quero estar junto.

Luan: Não te quero nisso. Esquece essa ideia. - falei preocupado. 

Mel: Não senhor, eu vou. Tudo começou comigo. E não adianta dizer que não Rafa, aquela vaca tem de levar uns tapas. - falou irritada e sabia que não havia nada que a fizesse esquecer dessa ideia. 

Luan: Tá bom teimosinha, cê vai.

Mel: Pra onde estamos indo agora?

Luan: Para o apê que eu tenho aqui em Sampa, onde a Bruna ficava quando veio pra cá estudar sozinha. 

Mel: Não sabia que ainda o tinhas. 

Luan: Dá jeito pra muita coisa, como agora. - ri. 

Mel: Agora fico a pensar em quantas mulheres você levou pra lá. - falou fingindo estar ofendida. 

Luan: Nenhuma, te juro que você é a primeira. 

Mel: Sim, sim, me engana que eu gosto. - riu divertida.

Luan: Não te engano não, é verdade.

Mel: E o que planejaste pra nossa noite? - senti malícia na sua voz. 

Luan: Surpresa. Amor chegámos, vem atrás de mim. - entrei na portaria e parei para falar com o porteiro. - Boa noite Seu Vinicius. 

Vinicius: Boa noite menino Luan.

Luan: O carro que está atrás vai entrar junto, aponta a placa aí no nome de Melissa Alencar, ela tem ordem para entrar quando quiser.

Vinicius: Com certeza, pode deixar. 

Luan: Obrigado. - nos despedimos e segui. 

Mel: Que homem tão responsável, meu Deus. - zoou. 

Luan: Que foi hein? 

Mel: Você, muito formal ao falar com o seu Vinicius. 

Luan: Tem que colocar ordem ué. - rimos e estacionei nos lugares reservados pra mim. Desliguei o celular e saí dando de caras com a Mel que estava saindo também. 




Luan: Você gosta de facilitar né? - a olhei e ela me encarou sem entender. - Macaquinho, uma só peça pra te tirar. - expliquei observando o seu corpo. Ela deu uma risadinha e um beijo. 

Mel: Safado. - sussurrou e mordeu o lóbulo da minha orelha. 

Luan: Você vai me dizer que não sabia para o que vinha? - lhe peguei na mão e fui andando até ao elevador. 

Mel: Sabia muito bem, por isso que aceitei ué. - me olhou óbvia e a encostei no elevador explorando o seu pescoço. 



Mel On:


Era tão bom voltar a estar assim com Luan, sem brigas, sem nada que nos interrompesse, sem nada que nos preocupasse, a saudade dele estava enorme e nem deu tempo de chegar ao andar do apê que nos pegamos logo no elevador. Beijos ardentes, mãos passeando pelo corpo, puxões de cabelo, carinhos. O elevador se abriu e mesmo assim Luan não desgrudava da minha boca, abrindo a porta com um olho aberto apenas. Entramos e foi me levando para um quarto que quando reparei no ambiente tive de parar o beijo para apreciar. 





Luan: Meu amigo caprichou.

Mel: Está lindo meu amor. - me virei pra ele e começamos um dos nossos melhores beijos. - Mas temos de apagar essas velas no chão antes que derrubem.

Luan: Deixa com nóis. - rapidamente Luan apagou cada uma e eu dei uma ajudinha e veio de encontro a mim me puxando contra o seu corpo pela cintura.


Tão lentamente como o beijo foi me deitando na cama, puxando minha cabeça para trás pelos cabelos. Teve assim livre acesso ao meu pescoço percorrendo-o com uma mestria que só ele tinha. A mão livre apertava minhas coxas que estavam em seu quadril e entrou dentro do short do meu macaquinho apalpando a minha bunda. ofeguei com esse gesto e Luan me sentou na sua frente abrindo o zíper puxando a minha roupa até a tirar. Fiz o mesmo com a sua camisa e calças e logo ele se deitou por cima novamente. Nos virei tendo controle de tudo até Luan me parar.


Luan: Embora eu ache sexy e divinal essa sua atitude de dominar, hoje eu só quero que você sinta as sensações que tenho pra te dar, aproveite meu amor. - me virou novamente e num ato selvagem me beijou enquanto as suas mãos brincavam com os meus seios. Logo desceu os beijos para eles e minha barriga.





Mel: Amor vai com calma que me dói os seios. - alertei e ele assentiu beijando com delicadeza cada um. 

Sentia arrepios por todo o meu corpo e a minha respiração estava ofegante e descompassada, Luan sabia me levar á loucura apenas com os seus toques e beijos. Me deixei levar pelas sensações que ele me proporcionava e quando estava alcançando o meu climáx sentindo a língua de Luan brincar com a minha intimidade, ele parou se protegendo e me penetrando me olhando diretamente nos olhos.


Luan: Você é minha, só minha. - disse em tom baixo e logo gemi o seu nome. Luan continuou e também gritou por mim, caindo em cima do meu corpo. Nos cobrimos com os lençóis e ficamos abraçados.

Mel: Que horas você vai amanhã?

Luan: 14h, vamos pra Campo Grande e depois férias. - riu doce e beijou meu rosto. - Vem comigo?

Mel: Melhor ficar em casa amor, a Denise está mais alerta agora.

Luan: Não te quero deixar sozinha, vai todo o mundo pra lá, vem também. - disse manhoso.

Mel: E se der bronca? - o olhei.

Luan: Não vai dar, ela não pode fazer nada, o que a gente falou hein? Antes dela pensar em nos perturbar eu já vou colocar ela na cadeia. Relaxa.

Mel: Então eu vou. - sorri e beijei Rafa.

Luan: Sabia que cê ia, assim conhece o resto da minha família, minha casa lá na cidade morena, vê a galera de novo, os meninas e as meninas, vou te mostrar tudo amor. Mas é melhor cê ir em voo normal senão vai rolar fotos da gente no aero.

Mel: Aham, ia propor isso mesmo. - ficamos em silêncio até quebrar o silêncio. - Quando vai ser a reunião para acusar a Denise?

Luan: Domingo de tarde lá em CG mesmo, é melhor.

Mel: E quais são as provas que você tem?

Luan: Cê quer mesmo saber? - assenti - A Denise teve um namorado há 5 anos atrás que era traficante de droga, e ela sabia disso. Tanto sabia que chegou a ser transportadora de droga, por ninguém desconfiar.

Mel: E como ela conseguiu sair disso?

Luan: O namorado dela morreu de overdose, e ela foi obrigada a sair da ceita prometendo que não abriria a boca pra ninguém.

Mel: Mas qual era a garantia que eles tinham?

Luan: Ela vendeu a vida dela. - fiquei em choque com essa revelação. - Ela deu a vida para não morrer, mas se alguém sabe ela some.

Mel: Mas se tu a denunciares...

Luan: Não se preocupa, ela só será presa por tráfico, nada mais. - me interrompeu. - Mas não é só isso. - o olhei esperando ele continuar. - Ela abortou duas vezes por livre escolha, e você sabe que no Brasil isso não é legal, só se for por estupro ou se correr risco de vida. Ela está nas minhas mãos Mel, demorei pra conseguir toda essa informação, mas agora vai dar jeito. Além do mais tenho o vídeo dela me querendo dopar e as suas mensagens.

Mel: Nossa, estou arrepiada com esses fatos sobre ela. Mas Rafa, os abortos foram de "filhos"...

Luan: Não, claro que não. - me interrompeu de novo. - Era do namorado dela.

Mel: Como é que ela teve coragem de matar dois seres tão inocentes? Tenho nojo dela.

Luan: Ela é assim mesmo, sem escrúpulos. Acho que ela não soube nunca o que é amar e ser amada. Me parece que ela tem distúrbios ou algo do género, porque ela é obcecada.

Mel: Tomara que ela tenha o que mereça.

Luan: Ela vai ter. Vai ser bom você ir pra mostrar as mensagens que ela mandou procê. - Conversamos sobre outras coisas e adormecemos.

Mel: Amor, amor, que horas são? - abanava Luan que ainda dormia, mas já deveria ser bem tarde.

Luan: Que foi Melzinha? - acordou sobressaltado.

Mel: A gente adormeceu, já deve ser tarde amor. - falei rápido me vestindo.

Luan: 10h ainda gata. - olhou no relógio e voltou a deitar.

Mel: Mas temos de ir, ainda preciso fazer a mala.

Luan: Amor mais 10 minutos.

Mel: Luan acorda, é sério, eu posso ir sozinha mas aí você vai adormecer e se atrasar pra variar. - tirei o edredão de cima dele e ele me olhou divertido.

Luan: Já vou mãezinha. - zoou e ia lhe dar um tapa mas ele foi mais rápido e puxou meu braço me beijando. - Bom dia.

Mel: Bom dia. - disse ainda de olhos fechados.

Luan: Foi gostoso? - falou próximo da minha boca.

Mel: Cê sabe a resposta. - rimos e nos beijamos novamente. - Vá mocinho, se veste.

Luan: Vai na cozinha por favor, deve ter alguma coisa pra gente comer agora.

Mel: Tá, vou lá ver. - Saí pra cozinha e tinha várias coisas, decidi fazer torradas, café e salada de frutas, Luan logo apareceu e comemos.

Luan: Amor, o bilhete está no seu e-mail, o Rober mandou procê. - disse quando chegámos perto dos carros.


Mel: Nossa, que rápido.

Luan: Sai ás 14h também, quando chegar em CG a Bruna vai te esperar com o meu tio.

Mel: Tá bom, vou seguir as tuas indicações. - lhe dei um selinho e nos despedimos.


Como combinado fui com Bruna e o Tio Vim para casa dos familiares de Rafa. Ele estava na sala e quando cheguei veio me receber e me apresentar a quem não conhecia ainda.


Luan: Amor vamos nos arrumar? - perguntou baixo.

Mel: Vamos sim Rafa.

Luan: Na verdade ainda temos tempo. - falou me abraçando. - E tenho uma ideia pra gente aproveitar este tempo.

Mel: Mas cê é muito safado mesmo, toma vergonha garoto. - brinquei com ele e rimos.

Luan: Cê ama. - beijou meu pescoço e tive uma sensação estranha.

Mel: Amor, me deixa ir rapidinho no banheiro por favor. - me soltei dele e fui. - Rafa? - chamei pela brecha da porta.

Luan: Que foi amor? - se levantou vindo até mim.

Mel: Chega um absorvente na mala pra mim por favor! - pedi manhosa e ele fez uma careta.

Luan: Sério isso? Eu querendo matar a saudade e você desse jeito, estragou meus planos amorzinho. - falava birrento e foi á mala pegar me dando. - Tem certeza que não rola nada?

Mel: Não Rafa, não rola, mas pode ser que não dure muito, e a gente também aproveitou ontem.

Luan: É, mas não chega. Cê quer chocolate, alguma coisa? - me olhava fofo.

Mel: Não amor, vou colocar o absorvente e já vou pra sua beira. - fechei a porta e quando saí Luan estava vendo tv.

Luan: Vem cá. - me deitei em seu peito. - Você continua cansada, com tontura e essas coisas?

Mel: Não, tive naquele dia, mas agora tenho andado bem. Devia ser a preocupação.

Luan: Ainda bem. Mas se sentir alguma coisa me avisa tá? - assenti - Mas não está com  dores não? A Bruna fica uma fera nesses dias. - riu.

Mel: Até que não, também costumo ficar com dinossauros aqui dentro. - rimos com a comparação-  Mas até que não me dói, só os seios mesmo.

Luan: Posso fazer uma mensagem no banho procê?  Um banho a dois é sempre mais rápido.

Mel: É, mas não vai rolar nada. - falei torcendo a boca em desagrado.

Luan: Eu sei, só umas mãos bobas, eu me contento com isso. - sussurrou e fechou a porta do banheiro abrindo a água quente.



Boa noite amores! Como falei ontem, a partir de hoje só terá um capítulo, a não ser que consiga escrever dois, aí publico dois. Mas quanto á história, Luan e Melissa tiveram a merecida noite. Fofos né? E essas revelações da Denise? Nossa, a muié está lascada. Mel estragou os planos de Luan ahahah tomara que não dure muito senão o menino sobe ás paredes ahah O que irá rolar nesse fim de semana em CG? Comentem e beijocas <3

6 comentários:

  1. Respostas
    1. Não vai dar amor, eu avisei ontem que a partir de hoje seria só um! Mas ainda bem que está gostando, beijos <3

      Eliminar
  2. Mas o Luan é insaciável mesmo hein. rs Já disse que ele parece um coelho, né?
    Nossa, a Denise além de vaca é criminosa também?! :o
    E que papo é esse de absorvente??? Eu estava crente que viria um "miúdo" ao mundo :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já disse sim, ahahah vai ter mais herdeiros que um coelho ! ahah
      Ela e tudo muié, mas ela é criminosa por causa do ex não porque quis ser.
      Me aguarde Camila :b ahah

      Eliminar